Itapejara D’Oeste tem dois casos suspeitos de Dengue
Publicado em 28/01/2019

Com o período de chuvas e o calor, tem-se o aumento da proliferação do mosquito aedes aegypti e, consequentemente, é maior o risco de contrair doenças, principalmente a dengue.

Na última semana, Itapejara D’Oeste teve dois casos suspeitos de dengue que estão em análise.

De acordo com Odair Chuta, coordenador da vigilância sanitária do município, duas pessoas procuraram a unidade de saúde com os sintomas da dengue, sendo que uma disse ter viajado para outra cidade e supostamente contraído o vírus, por tanto seria um caso importado.

Já no outro caso suspeito, o paciente não relatou ter saído de Itapejara, tornando se assim o primeiro caso autóctone de dengue, ou seja, fora contraído na própria região, o que comprovaria a circulação do vírus.

Em ambos os casos foi feita coleta de matéria dos pacientes e encaminhado ao Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen), que faz a análise e, em cinco dias retorna com o resultado.

A vigilância sanitária reforça o importante papel que a população tem para minimizar a incidência da dengue no município.

“A proliferação do mosquito transmissor aumenta muito no verão e é absolutamente necessário que as pessoas eliminem todo tipo de água parada como vasos de plantas, calhas, garrafas, lixo, bebedouros de animais, entre outros onde as larvas do mosquito se criam”, destaca Odair.

O coordenador ainda informou que foram encontradas larvas e mosquitos transmissor da dengue, “aqui no nosso município encontramos, através das visitas domiciliares das agentes de saúde, vários locais com larvas e mosquitos da dengue, então pedimos que as pessoas não deixem água parada”, concluiu Odair.

Região:

O município de Verê também registrou dois casos de dengue na última semana.

“Apesar de serem dois casos não confirmados e importados, ou seja, de pessoas que viajaram para outros municípios, estamos em alerta e pedimos que a população continue fazendo a sua parte de não deixar recipientes e locais que possam ser pontos de proliferação”, afirmou o secretário de saúde de Verê, Odair José França.

Realeza também tem casos suspeitos, o Jornal de Beltrão veiculou uma reportagem sobre o alerta no município.

São cinco casos suspeitos notificados e que aguardam confirmação do Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen).

A Secretaria de Saúde de Realeza promoveu um mutirão de limpeza nos bairros da cidade.

Em Francisco Beltrão a situação também está preocupante, pois a incidência do mosquito aedes aegypti - transmissor da dengue, chikungunya e zika – aumentou.

Segundo o Levantamento Rápido do Índice de Infestação realizado semana passada, o nível chegou a 5.5%, considerado de alto risco, sendo que o recomendado pelo Ministério da Saúde é um índice inferior a 1.



Postado por: Ademir Hanzen
Fotos: Ilustrativa